Cartas de Gestão #27

A mega-sena da virada é sua!

02 de outubro de 2020
______
Este texto foi, originalmente, enviado no e-mail de nossos leitores na newsletter Cartas de Gestão, que enviamos semanalmente com textos e conteúdos sobre gestão de fazendas.

Para receber em primeira mão os próximos textos e demais conteúdos sobre gestão rural, cadastre seu e-mail abaixo.
A MEGA-SENA DA VIRADA É SUA!
É cedo para começarmos a falar sobre ano novo?

Ontem entramos no último trimestre de um dos anos mais inacreditáveis da história. E como de costume, quanto mais próximo do ano novo, mais renovado ficam os nossos ânimos.

Mas, calma. Não estou com tanta pressa assim. Ainda temos muito a fazer em 2020.

Entretanto, gostaria de sonhar junto com você por um instante...

Imagine que eu tenha o bilhete premiado da mega da virada em minhas mãos aqui agora e estou disposto a entregá-lo à você.

Já imaginou o que você poderia fazer com cerca de 300 MILHÕES DE REAIS (R$300.000.000,00)?

É muito zero, né? Estamos falando de 30% de 1 bilhão.

Bem... e para te entregar esse bilhete premiado, eu só tenho uma única e simples condição: você só poderá usar esse dinheiro para investir em fazendas que já estejam em operação e apenas entrando como sócio. Ou seja, a atual gestão da fazenda iria permanecer a frente do negócio.

Você topa?

Acredito que a maioria diria que sim. E isso é ótimo.

Eu realmente acho o setor agropecuário um dos mais atrativos.

Mas, eis as questões então...

O que você iria procurar em uma fazenda para investir?

Lembre-se que você só poderá usar esse dinheiro para investir em fazendas que já estejam em operação.

Quais características você iria procurar nas fazendas?

Quais perguntas você faria?

Quais pontos iria avaliar?

Se for possível, pare de ler o texto por um instante e me responda neste e-mail antes de continuar.

Eu iria gostar de saber seu ponto de vista sobre isso.

Mas, agora deixa eu te dar o meu ponto de vista. São características que eu iria procurar encontrar nas fazendas para investir.

Vamos à elas:

1 - Rentabilidade: eu começaria pela rentabilidade. Pois no fim do dia, é isso que importa quando estamos pensando em negócios. O quanto meu patrimônio rendeu.

Com uma bolada de R$ 300 milhões em mãos, colocando ela pra trabalhar em bons negócios, daria para chegar em 1 bi em algum momento.

E quando digo rentabilidade aqui estou me referindo à rentabilidade sobre o patrimônio líquido (ROE). Dentre os tipos de rentabilidades que existem, essa é a mais importante para o proprietário do negócio.

Perceba que indiretamente, ao olhar para a rentabilidade, já estaríamos avaliando a eficiência no uso dos ativos da fazenda e a eficiência operacional.


2 - Geração de caixa: todo bom negócio é gerador de caixa. Após procurar saber sobre a rentabilidade, eu iria me interessar pela geração de caixa da fazenda.

E iria dar uma atenção ainda maior para os períodos de baixas no mercado. Para isso eu iria consultar o artigo que publicamos na série Gestor Rural, de título A Montanha-Russa dos Preços, e visualizar os momentos de baixa de preços na produção ao longo dos últimos 15 anos e procurar visualizar como foi a geração de caixa da fazendas nestes períodos.

Se a fazenda conseguiu suportar bem os períodos de baixa, isso será um ótimo sinal. Pois, como todos devemos saber, estamos em um negócio altamente cíclico.



3 - Riscos e capacidade de segurar as pontas: em um terceiro momento eu iria procurar por resultados negativos, quais meses, trimestres ou anos foram de prejuízos?

Quanto mais tempo a fazenda estiver em operação, maiores as chances de que ela tenha passado por algum prejuízo. E isso por si só não é algo ruim. Pelo contrário. Cicatrizes podem ser bom sinais.

Mas não em excesso.

Por isso, eu iria procurar pelos momentos de prejuízo (quão frequente e profundo eles foram) e realizar um estudo do risco diante do retorno que observamos lá no primeiro momento.

E também iria procurar saber como os gestores da fazenda passaram por estes prejuízos, como eles seguraram as pontas e o que aprenderam com os resultados negativos.


4 - Propensão para desenvolvimento de negócios ambientalmente responsáveis: eu iria olhar com muito carinho para questões ambientais.

Isso não se trata de um mero discurso ou defesa de uma bandeira para agradar determinado grupo.

Falo isso do ponto de vista de negócios mesmo. Já entramos em um caminho sem volta.

Tem muito extremismo midiático em cima desse tema, mas realmente é uma tendência que veio pra ficar e eu imagino que a pressão vai ser cada vez maior com o passar dos anos.

Nesta linha eu iria olhar primeiramente para questões de geração de energia renováveis (solar e eólica, por exemplo). Mas também iria olhar para o potencial florestal para o mercado de crédito de carbono e desenvolvimento de negócios que possam ser vistos como atrativos ambientalmente.


5 - Os Sonhos Grandes: e por fim, mas não menos importante, eu iria alinhar objetivos com os gestores da fazenda. Quais os sonhos grandes para os próximos 10 anos?

Quão comprometido ele está com o longo prazo e com os objetivos?

São questões fundamentais que fazem uma diferença brutal no desempenho do negócio.


Estes seriam os 5 principais pontos em que eu procuraria observar nas fazendas. É claro que não são os únicos, mas acredito serem os principais.

Além deles, iria procurar observar as pessoas que estão envolvidas com a fazenda, a estrutura de custos, a organização e estrutura de processos e os procedimentos para tomadas de decisão também.

Mas, por outro lado, gostaria que você notasse algo que eu acredito ser de extrema importância...

Perceba que em nenhum momento eu mencionei sobre a qual a atividade que a fazenda está atuando. Isso pode até ser importante quando estamos procurando uma análise de curto prazo ou mais imediata.

Mas no longo prazo - que deveria ser sempre o nosso horizonte de tempo - os outros fatores citados sobrepujam qualquer tendência de mercado ou atratividade de alguma atividade.

Já falamos disso em um texto anterior.

Bons negócios podem se tornar maus negócios quando tocados da maneira errada. E "maus negócios" podem virar negócios bons quando tocados com foco nos pontos certos.

Para finalizar, gostaria de terminar com uma chamada para reflexão.

Supondo que você estivesse imaginado os mesmos pontos que eu ou algo nesta mesma linha de raciocínio.

Você investiria na sua fazenda?

Um grande abraço,

Autor
Gabriel H. Lima
Eng. agrônomo e fundador da PATRIA

Imagem