Cartas de Gestão #22

Cuidado com os lucros de um ano bom

28 de agosto de 2020
______
Este texto foi, originalmente, enviado no e-mail de nossos leitores na newsletter Cartas de Gestão, que enviamos semanalmente com textos e conteúdos sobre gestão de fazendas.

Para receber em primeira mão os próximos textos e demais conteúdos sobre gestão rural, cadastre seu e-mail abaixo.
CUIDADO COM OS LUCROS DE UM ANO BOM
Racionalidade está diretamente ligada à sobrevivência. E quando pensamos em sobrevivência aqui no nosso aspecto de gestão de empresas rurais, estamos nos referindo à evitar a falência ou a “morte da fazenda”.

O caminho é longo e como já repeti diversas vezes antes (e vou repetir mais outras tantas no futuro): o foco deve ser sempre no longo prazo.

Gosto muito de associar o processo de gestão de fazendas como um jogo e esse jogo é o longo prazo.

Não é Um jogo de longo prazo. É O longo prazo em si.

Qualquer avaliação menor do que 3 anos para uma fazenda é uma avaliação pobre.

Isso não significa que não podemos avaliar os resultados em um prazo menor do que 3 anos. Até podemos. Mas cientes de que tirar conclusões sobre ele, será uma ingenuidade e estaríamos dando mais valor ao acaso do que à eficiência.

O que eu quero dizer com isso é: teve um ano bom com a fazenda? (E ao que tudo indica, até o momento, este será um ano formidável para a agropecuária como um todo). Ótimo. Parabéns!

Mas o que este ano representa em uma avaliação dos últimos 3 ou 5 anos?

Como está a composição dos retornos compostos (compounding) da fazenda?

Isso é o que importa. Não se iluda.

Por isso dou tanta ênfase e valor ao planejamento.

Quando você coloca um bom planejamento em perspectiva sabe de que estamos falando de algo que leva em conta objetivos de mais longos prazos.

E aqui vai então 2 conselhos que podem ser úteis sobre este aspecto:


#1 - Distribua os lucro com inteligência e dê muita atenção ao caixa

Após auferir lucros é preciso destinar esses lucros de maneira adequada, ou seja, onde você vai colocar esse lucro?

Há basicamente 3 opções e fazer caixa talvez seja a mais importante, porque como já falamos em outras oportunidades, o mercado é cíclico e uma hora ele vira pra baixo.

Vou tratar sobre esse tema no próximo estudo de caso da série Gestor Rural . Como distribuir o lucro de forma a favorecer o negócio no longo prazo.

Você se surpreenderia com a quantidade de produtores que se enrolam depois de ter lucro na fazenda.

Na verdade eu até arriscaria dizer que o lucro é um dos principais causadores de problemas futuros de uma fazenda.

Veja que loucura! O lucro ser um causador de problemas? Sim! Porque o produtor tem dificuldade no planejamento estratégico e financeiro para saber fazer uma alocação destes lucros de maneira a favorecer o longo prazo do negócio.

Aprofundaremos sobre isso no próximo estudo de caso da série.


#2 - Não só esqueça, como evite qualquer tipo de atalho. Isso não existe.

Até existem aqueles produtores que trabalham pensando em curto prazo e conseguem ir bem.

Caso seu objetivo seja esse, ganhar uma grana com a fazenda no próximo ano e ir tocando somente com foco no próximo ciclo, me desculpe, mas acho que não posso te ajudar muito.

Períodos curtos estão muito sujeitos à fatores aleatórios, ou em outras palavras, à sorte.

É o mercado que vai ficar azedo e derrubar o preço do seu produto e você não vai ter o que fazer. As chuvas que vão faltar ou vim em excesso e prejudicar a produção... enfim, no curto prazo, podemos ver produtores que não fazem nenhum tipo de gestão e tocam a fazenda de qualquer maneira terem resultados muito bons e produtores com ótima gestão com resultados ruins.

Mas quando estendemos o horizonte temporal em 5 ou 10 anos, fica evidente o poder de uma boa gestão.

Nosso objetivo na PATRIA é desenvolver empresas rurais de forma sólida com foco no longo prazo e com rentabilidades elevadas.

E somos todos adultos aqui. Não dá pra conseguir isso pegando atalhos.

Toda decisão que favorece o curto prazo em detrimento do longo prazo é uma decisão que deve ser evitada.

Traduzindo de forma prática: não mude seu planejamento com base no que está vendo de resultado deste ano específico, a não ser que essa mudança seja condizente com seu plano de longo prazo.

Exemplo: sou produtor de laranja e tinha um planejamento estratégico de aumentar a produção em 30% nos próximos 5 anos e começar a beneficiar minha produção, mas vou destinar recursos para iniciar cultivo de soja devido ao bom momento e as ótimas perspectivas para próxima safra.

Isso faz sentido no seu planejamento estratégico?

Se não fizer sentido, então você vai alterar o planejamento estratégico da fazenda?

Procure analisar como cada decisão se enquadra no quadro geral da fazenda e se ela faz sentido de acordo com seus objetivos.

Não faz mal mudar o planejamento estratégico. Mas entenda que o princípio do planejamento estratégico é algo estruturalmente de longo prazo e, portanto, não faz sentido alterá-lo a cada ano ou em curtos períodos.

Estou vendo um forte movimento de produtores querendo entrar em novas atividades ou aumentar a produção a qualquer custo. Isso é típico de fases de alta.

Mas, reitero: isso faz sentido no planejamento estratégico da sua fazenda?

Procurar atalhos pode parecer interessante, mas do ponto de vista gerencial, as chances são grandes de que esse atalho te leve para o destino errado.

Resumindo as ideias do texto desta semana: não se deixe levar por condições de curto prazo, sejam elas boas ou ruins, estabeleça um planejamento estratégico para sua fazenda com objetivos de longo prazo e coloque suas decisões sempre em perspectiva desse planejamento. Ele será o seu norte na gestão da fazenda.

Um forte abraço e ótimo final de semana,

Autor
Gabriel H. Lima
Eng. agrônomo e fundador da PATRIA

Imagem