Cartas de Gestão #08

Seja o motorista!

22 de maio de 2020

______
Este texto foi, originalmente, enviado no e-mail de nossos leitores na newsletter Cartas de Gestão, que enviamos semanalmente com textos e conteúdos sobre gestão de fazendas.

Para receber em primeira mão os próximos textos e demais conteúdos sobre gestão rural, cadastre seu e-mail abaixo.
SEJA O MOTORISTA!
Você já parou para pensar no que faz um carro andar?

Engraçado que, pelo menos para a maioria das pessoas, a primeira resposta que vem a mente é o motorista.

Mas essa não é uma resposta precisa.

Na verdade, o que faz o carro andar é o motor.

É claro que são necessários vários outros itens para que o motor funcione e o carro ande, entre eles, o próprio motorista.

Mas um motorista em um carro sem motor, poderia pisar quanto quisesse no acelerador e o carro não iria acelerar.

Essa simples constatação pode ser muito útil quando pensamos em gestão de fazendas.

O papel do produtor/gestor rural não é fazer o carro andar. Ele não é o motor, mas sim o motorista!

Sua função é decidir a direção a ser seguida, a velocidade, verificar se tudo está funcionando conforme deveria e era esperado, calibrar os pneus, fazer as revisões...

Enfim, o trabalho deve ser feito para: 1º) definir a direção que se deseja ir e a velocidade; 2º) averiguar e fazer o que for preciso para garantir a melhor condição de funcionamento do carro.

A percepção disso é extremamente importante, pois permite que o produtor visualize onde deve estar sua maior atenção.

Sinto muito dizer isso, mas uma das mentiras mais difundidas no meio rural é a falácia de que é o olho do dono que engorda o gado!

Na verdade, até concordo que é o olho do dono que engorda o gado, mas não no sentido em que essa lenda foi e ainda é difundida.

Se a sua fazenda possui uma necessidade muito grande de ter o seu olho lá para "engordar o gado", na verdade isso acaba sendo um ponto de fragilidade da empresa.

Mas isso fica como assunto para outra oportunidade. Me comprometo a escrever sobre isso e desmistificar essa falácia.

O ponto hoje é que, geralmente, o produtor rural gosta muito de se envolver nas atividades operacionais da fazenda. Até aí, nenhum problema.

Eu também gosto e acho realmente importante que isso ocorra.

O problema começa a surgir quando ele se envolve nas atividades operacionais, mas para por aí.

Nessa situação, ele acaba sendo uma parte do motor e não o motorista!

E a fazenda precisa de um motorista! A gestão de fazendas nada mais é do que dirigir uma empresa rural.

Podemos e até mesmo devemos acompanhar os trabalhos operacionais sempre que possível, mas você concorda comigo que contratamos mão de obra justamente para cuidar do operacional?

Quer acompanhar a ordenha? Ótimo. Quer acompanhar a pesagem dos animais? A vacinação? Ótimo. Quer acompanhar o plantio? Quer você mesmo realizar a adubação de cobertura na lavoura? Ótimo.

Mas, por favor, não pare por aí.

Alguém precisa sentar no escritório e fazer os trabalhos administrativos, trabalhar com os números do negócio, com os indicadores, com os processos, com a estratégia e com as decisões a serem tomadas que devem ser embasadas nos números.

O problema é que poucos gostam disso. Realmente é um trabalho chato.

Mas, invariavelmente, vamos precisar fazer o que não gostamos se quisermos melhorar os resultados.

Não adianta muito estarmos envolvidos com o trabalho operacional da fazenda, seja no curral ou à campo, se não estivermos fazendo o que precisa ser feito no escritório.

Seria como ter um motorista que não está no volante, mas sim do lado de fora empurrando o carro para ajudar o motor.

Devemos sim ajudar o motor sempre que possível, afinal sem ele, o carro não movimenta. Mas podemos fazer mais para ajudar sendo o motorista! Definindo as direções, a velocidade, fornecendo as condições mais adequadas, acompanhando o desempenho e procurando melhorias.

Um breve teste para finalizar e tentar ajudar a entender o ponto do texto de hoje. Três perguntas rápidas:

1 - Até o atual momento de 2020, o faturamento da sua fazenda aumentou ou diminuiu em quantos % em relação à 2019?

2 - Até o atual momento de 2020, as despesas da sua fazenda aumentaram ou diminuíram em quantos % em relação à 2019?

Compare com os mesmo períodos, ok? Pode comparar os 5 primeiros meses de cada ano.

3 - Diante dos resultados, qual seu planejamento para os próximos 12 meses para que em 2021, os resultados sejam melhores?

É importante observar que dizer que o faturamento ou as despesas aumentaram ou caíram não resolve muita coisa.

Muito menos um acho que aumentou ou acho que diminuiu.

Aumentou em quantos %? Caiu quantos %?

Se você não soube responder ao menos 1 das 3 perguntas, pode ser que você precise dedicar mais tempo na gestão da sua fazenda, mais tempo no trabalho de escritório.

Ou em outras palavras, mais tempo sendo o motorista.



Um abraço e ótimo final de semana,

Autor
Gabriel H. Lima
Eng. agrônomo e fundador da PATRIA

Imagem