Cartas de Gestão #30

Talvez seja interessante aumentar o custo

23 de outubro de 2020
______
Este texto foi, originalmente, enviado no e-mail de nossos leitores na newsletter Cartas de Gestão, que enviamos semanalmente com textos e conteúdos sobre gestão de fazendas.

Para receber em primeira mão os próximos textos e demais conteúdos sobre gestão rural, cadastre seu e-mail abaixo.
TALVEZ SEJA INTERESSANTE AUMENTAR O CUSTO
Antes que atirem a primeira pedra, ainda não fiquei louco!

E o título também não foi escrito errado. É isso mesmo: talvez seja interessante você pensar em AUMENTAR o custo da fazenda.

Calma que eu vou explicar.

Quando pensamos em custos de produção podemos pensar em diversos tipos de ramificações, classificações e até mesmo formas de se enxergá-lo.

E como tudo que envolve a gestão de uma fazenda, não existe uma resposta ou uma maneira pronta e definitiva para se resolver as coisas. Tudo depende de uma análise bem feita e ponderações corretas.

Mas algo que eu ainda vejo com muita recorrência é: produtores rurais pensando mais no custo total do que no custo médio.

É claro que devemos pensar nos dois e em todos os outros demais fatores que influenciam o resultado da fazenda. Mas, em condições normais de temperatura e pressão, é preferível dar mais atenção ao custo médio do que ao custo total.

Na verdade, só consigo pensar em uma única situação em que seja mais interessante pensar no custo total do que no custo médio. E, mesmo assim, pode haver controvérsias nesta situação.

Vamos trabalhar um pouco mais essas ideias nas próximas linhas mas, para os mais apressados, procure pensar mais no custo médio da sua fazenda do que no custo total. Ele é muito mais relevante para o resultado.


Custo Total x Custo Médio

O custo total é o somatório de todos os custos da fazenda (não confundir custos com investimentos) e o custo médio é simplesmente o custo total dividido pelo total que foi produzido (também é chamado de custo unitário).

Na metodologia de custo que trabalho (e que recomendo que você também trabalhe) nós ainda dividimos em Custo Variável Médio (CVMe) e Custo Fixo Médio (CFMe).

A ideia por trás disso é que nós encontremos um valor que já seja possível, logo de cara, realizar uma comparação com os preços de venda e ter uma ideia sobre o resultado da fazenda.

Portanto, o custo médio vai nos trazer MUITO mais informações do que o custo total. O custo médio já carrega informações importantes sobre o desempenho da fazenda. O custo total não.

Quando eu falo de custo, eu sempre estou pensando e me referindo sobre o custo médio. Caso eu esteja querendo dizer sobre o custo total, eu digo "custo total", mas fora isso, sempre estou me referindo ao custo médio.

E veja o seguinte: considere a Fazenda Custão e a Fazenda Custinho. Imagine que a Fazenda Custão tenha um custo total de R$ 500 mil e a Fazenda Custinho tenha um custo total de R$ 300 mil.

É muito importante que você entenda que essas informações não nos dizem muita coisa. Honestamente, para mim, é uma informação que não posso concluir absolutamente nada sobre o desempenho e resultado das fazendas.

É possível que a Fazenda Custão tenha um custo mais baixo do que a Fazenda Custinho. Mesmo gastando R$ 200 mil a mais!

Porque aqui estamos falando de custo de produção. Do custo médio! E ele sim nos dá muito mais informações.

Eu já repeti isso diversas vezes e, provavelmente, vou repetir mais outras tantas, porque é realmente importante entender essa sutil diferença.

Muitos produtores acabam querendo economizar no custo total e prejudicam completamente o custo médio.

Ou seja, em uma tentativa de melhorar o resultado, acabam prejudicando-o.

É por isso que o custo médio deve ser sempre priorizado em relação ao custo total. Se houver uma situação em que você precise aumentar o custo total para reduzir o custo médio, vá em frente.

Mas, tem um porém...


Quando priorizar o custo total?

A única situação em que devemos priorizar o custo total é em situações de falta de caixa.

Como assim?

Ora, se realmente não houver como fechar as contas da fazenda não temos muito o que ser feito, né?

Mas neste tipo de situação minha sugestão é que você procure ir corrigindo isso aos poucos, porque nestes casos o problema pode ser mais grave e você pode estar entrando em uma espiral negativa.

Fluxo de caixa apertado que te força a cortar custos a torto e a direito que prejudica a produção que vai apertar ainda mais o fluxo de caixa que te força mais ainda a cortar custos... e assim vai.

Nestas situações o que eu olharia primeiro é como está o ciclo financeiro, mas para saber o ciclo financeiro seria preciso saber o ciclo operacional e o prazo médio de pagamento (PMP) e para saber o ciclo operacional precisaria saber os prazos médios de estocagem (PME) e de recebimento (PMR).

Com essas informações eu iria procurar fazer algum ajuste no ciclo financeiro para desapertar o fluxo de caixa.

E em seguida, claro, teríamos que analisar como melhorar a eficiência operacional.

Tirando este caso à parte, o custo médio deve ser sempre tratado como prioridade em relação ao custo total.

E você? Saberia dizer como está o custo médio da fazenda neste ano de 2020? E o ciclo financeiro e o ciclo operacional?

Me conte respondendo neste e-mail, vai ser ótimo trocarmos ideias e quem sabe não posso te ajudar de alguma forma?

Um grande abraço,

Autor
Gabriel H. Lima
Eng. agrônomo e fundador da PATRIA

Imagem